A transformação digital no consumo e no varejo

Há bastante tempo se fala em transformação digital no consumo e no varejo.

É fato que as novas tecnologias já estão inseridas na vida das pessoas e que é preciso que os negócios se alinhem a elas para ter mais sucesso e conquistar bons resultados em todas as suas áreas.

Porém, vale lembrar, que a transformação digital é algo cíclico. Não se trata de um processo com início, meio e fim! Por isso, apenas ter um software de gestão para fazer o controle de estoque e administrar o fluxo de caixa do supermercado não é suficiente, por exemplo.

Os varejistas devem ficar atentos às movimentações da área tecnológica e observar como isso impacta no comportamento social das pessoas. Recentemente, por conta da pandemia do novo coronavírus, as pessoas começaram a comprar muito mais pela internet, por exemplo.

São movimentações como essa que devem ser observadas, juntamente com os chamados 5 vetores da transformação digital no consumo e no varejo. Siga lendo e entenda!

5 vetores da transformação digital no consumo e no varejo

A transformação digital no consumo e no varejo, como explicamos, é um processo cíclico e que passa por cinco vetores, que atuam de forma convergente e interconectada. Veja quais são eles!

1. Tecnologias que impactam ou podem impactar os seus negócios

Novas tecnologias surgem quase que diariamente. O que era uma novidade no ano passado, pode estar obsoleto hoje. É por isso que os varejistas precisam ter uma visão ampla sobre o assunto, para não serem passados para trás.

É interessante fazer uma análise dos novos recursos que surgem e que podem impactar o seu negócio atualmente e também no futuro. Você precisa ter uma visão ampla e sempre investir em tecnologia, visando estar um passo à frente dos seus concorrentes.

Tivemos um exemplo claro disso, no período de isolamento social, imposto pela pandemia de Covid-19. Com a orientação das autoridades de saúde para sair menos de casa, as pessoas passaram a comprar muito mais pela internet.

Logo, aquelas lojas e supermercados que já tinham um app para compras e delivery saíram na frente e tiveram menos impactos financeiros do que os que atendiam apenas no modelo tradicional.

Essa situação nos faz refletir sobre a necessidade de sempre pensar a frente. Aposte na tecnologia não apenas como algo para sanar uma necessidade atual, mas também como oportunidade de ter mais resultados no futuro.

2. Consolidação de uma cultura híbrida

No livro “Você, eu e os robôs: pequeno manual do mundo digital”, a escritora Martha Gabriel trabalha com um conceito chamado cibridismo. Esse termo significa estar online e offline ao mesmo tempo.

Até algum tempo atrás, era possível separar as nossas atividades feitas no universo físico e no digital. Para acessar à internet, por exemplo, era necessário sentar em frente ao computador e realizar uma conexão. Após a navegação, voltávamos a desempenhar as nossas atividades de forma analógica.

Os smartphones e a internet das coisas, por meio de dispositivos como os smartwatches, mudaram essa realidade. Agora a nossa cultura é híbrida, mesclando o online com o offline.

Já é possível fazer compras presencialmente em um supermercado, por exemplo, estando conectado à internet, para melhorar essa experiência. Os varejistas devem ficar atentos a isso. 

3. Forte presença da comunicação digital

Ainda por conta da realidade híbrida, se desenvolve também a forte presença da comunicação digital como um dos vetores da transformação digital na cultura e no varejo.

A comunicação com clientes e fornecedores pode ser intermediada por aplicativos, redes sociais e até mesmo com o uso de recursos de inteligência artificial, como os chatbots

Tudo deve ser alinhado, no entanto, para corresponder às expectativas dos seus clientes no momento atual e as projeções feitas para o futuro.

4. Tecnologia presente nas operações de gestão

A transformação digital é um conceito que ocorre de dentro para fora e não ao contrário. Isso quer dizer que de nada adianta investir em aplicativos e recursos para atender bem aos clientes, se os seus processos internos forem totalmente analógicos, por exemplo.

O uso da tecnologia deve estar presente no DNA dos negócios, em todas as suas áreas e operações. Somente assim se ganha agilidade para tornar as atividades externas eficientes e perceber impactos positivos nas relações com os consumidores e também financeiramente.

5. Entendimento sobre a jornada da transformação digital

Como a transformação digital não para, é fundamental ter entendimento sobre essa jornada, observando cenários e movimentações.

Uma boa dica é ler artigos em blogs interessantes, acompanhar as notícias sobre tecnologia em noticiários e programas sobre o assunto, seguir pesquisadores e autoridades no assunto nas redes sociais etc.

Dessa forma, você estará sempre muito bem informado sobre a jornada da transformação digital e verá isso como um processo amplo. Afinal, estamos nos referindo a um fenômeno cultural, que se modifica conforme novos recursos surgem e as pessoas os incorporam às suas rotinas.

Conhecer sobre os 5 vetores da transformação digital no consumo e no varejo é imprescindível para que o seu negócio tenha mais sucesso. 

Não deixe de refletir sobre cada um deles e pensar sobre o que pode ser melhorado para que o êxito seja alcançado nesse novo universo que estamos vivendo.

Inclusive, preparamos um conteúdo muito interessante sobre a tecnologia do momento no varejo, também conhecida como mobile commerce. Você pode acompanhar clicando aqui.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *